EnglishPortugueseSpanish

NOTÍCIA

Engorda a pasto: resultado com menor investimento financeiro

A maior parte do rebanho de corte do Brasil, mais de 90% é criado solto, em engorda a pasto.

Um dos facilitadores desse sistema é a extensão de área ainda disponível no país, e nas propriedades.

Outro fator que merece destaque é uma necessidade menor de investimento financeiro, quando o boi engorda a pasto.

Mas para ter um bom resultado, o sistema de engorda a pasto, precisa de uma gestão eficiente.

Quanto ao peso, um boi de engorda a pasto ganha, em média, 1,5 quilo por dia.

Durante um mês é aproximadamente 50 quilos, que podem ser monitorados pelo produtor, mas é preciso ficar atento a outros detalhes.

O tipo de pastagem, clima, manejo e suplementação podem influenciar para o ganho de peso ser maior ou menor.

As melhores raças de boi para engorda a pasto são:

  • Nelore;
  • Gir;
  • Tabapuã;
  • Guzerá; e
  • Sindi.

Engorda a pasto

O sistema de engorda de boi a pasto deve iniciar entre os meses de setembro e outubro, que é a chamada época das águas.

Nesse período há maior produção de forrageiras, favorecendo o desenvolvimento do rebanho, com maior oferta de alimento.

Já no período da seca, que engloba o outono e inverno, a oferta de alimento diminui, podendo afetar o ganho de peso.

Nesses casos é necessária a complementação da alimentação, com silagem, por exemplo, para que o gado não perca peso.

O ideal, para atingir um bom custo é que a engorda de boi a pasto não ultrapasse os 20 meses, até o abate.

Pasto de Qualidade

Para que tenha resultado o produtor tem que cuidar do pasto, como cuida de qualquer outra plantação, pois ele precisa nutrir os animais de forma adequada.

O primeiro passo é o tratamento do solo, repondo os nutrientes para que o pasto cresça de forma saudável.

Quando e como adubar, os períodos de rotação, o tempo ideal para que o capim cresça, tudo deve ser muito bem organizado.

Usar o pasto rotacionado é transferir o gado para um piquete diferente, a cada intervalo de tempo, assim, o outro espaço pode descansar e voltar a produzir.

Quando o pasto é bem cuidado ele oferece quase que a totalidade de nutrientes que o gado precisa.

Lotes

Para que o gado não invada um lote diferente daquele onde deveria estar, faça a manutenção das cercas.

Assim fica mais fácil controlar o rebanho, seja pela rotação do pasto ou evitando a mistura inadequada dos animais.

Uma dúvida comum é no tocante a distribuição adequada do gado de engorda a pasto, por seus respectivos lotes.

Em geral, o rebanho tem uma curva de distribuição onde 20% são mais fortes, 70% são normais e 10% são mais fracos.

Os chamados mais fracos irão comer e beber em piores condições, ou seja, quanto maior o lote, maior a quantidade de animais mais fracos.

Sempre que possível, o produtor deve optar por lotes menores, o que irá equilibrar a engorda do boi a pasto.

Lotes menores, que explorem piquetes menores é a solução mais produtiva.

Alimentação para engorda a pasto

Bois que engordam a pasto precisam de uma alimentação equilibrada, para que possam atender à demanda produtiva, isso inclui:

  • Forragens – seu alto teor de água e fibra faz com que possam ser consumidas em grande volume pelos animais e por isso, recebem o nome de alimentos volumosos.

A cada quilo de capim, a matéria seca se concentra entre 15% e 20% e o restante é água.

  • Concentrados – são os alimentos que fornecem uma maior quantidade de nutrientes por quilo de produto, pois 88% de sua composição é de matéria seca.

Mas como dietas ricas em concentrados podem causar distúrbios digestivos aos animais, é necessário o equilíbrio.

  • Mineral – que traz a suplementação dos minerais necessários, pois mesmo os pastos mais equilibrados não fornecem todos os nutrientes.

A Nutrimais tem dois produtos que podem ser utilizados por bois que engordam a pasto.

O +Cria & Recria é recomendado para a produção orgânica. Ele promove a máxima absorção de nutrientes e auxilia no ganho de peso desejado.

Já o +Engorda é livre de hormônio e antibióticos e também auxilia no ganho de peso desejado.

Fontes: Revista Agropecuária; Cursos CPT; Boi Saúde; Nutrimais; e Prodap.