EnglishPortugueseSpanish

NOTÍCIA

Genética e cuidados especiais são fatores que influenciam a engorda do boi

Para todo pecuarista a regra é clara: quanto antes o boi estiver pronto para o abate, maiores as chances de lucratividade. Mas, não é tão simples, há muitas questões envolvidas para chegar num resultado perfeito da engorda do boi.

Com os investimentos em melhoramento genético, ficou mais fácil controlar a eficiência do rebanho, fazendo a seleção das raças.

Mas é fundamental entender que para a engorda do boi ser mais rápida, não basta sua raça, mas uma série de outros fatores.

É preciso avaliar o clima do local onde está a propriedade e como será a adaptação do animal e definir em qual sistema o gado será criado, se a pasto ou confinamento, além de balancear a alimentação oferecida.

A pecuária de corte é dividida em três fases: cria, recria e engorda. Quando uma propriedade exerce e produz as três fases, é chamado de ciclo completo.

Cada uma dessas fases é de extrema importância para a engorda do boi. E elas possuem um perfil produtivo para um resultado, respectivamente, bezerro, boi magro e boi gordo.

A fase de cria utiliza as fêmeas com o objetivo de se produzir bezerros para o mercado.

Os principais pontos de atenção:

  • mão de obra especializada para trabalhar com a reprodução das matrizes: inseminação e diagnóstico de gestação;
  • resultado baseado em variáveis biológicas;
  • taxa de lotação;
  • comercialização de descartes e ajuste de lotação; e
  • menor flexibilidade e maior sensibilidade ao ciclo da pecuária.

A fase de recria começa após a desmama dos bezerros, que ocorre normalmente entre sete e oito meses, ou quando atingirem o peso entre seis e oito arrobas.

MISTURA DOS INGREDIENTES INTERFERE NA QUALIDADE DA DIETA E PESO DO BOI

Essa fase vai até a engorda do boi. E alguns pontos de atenção que devem ser levados em consideração são:

  • ágio: bezerro x boi magro;
  • pouca flexibilidade comercial;
  • demanda crescente: confinamento e Integração Lavoura Pecuária (ILP). Sistemas mais intensivos que utilizam de ferramentas como confinamento e ILP. Logo fazem aumentar a demanda pelo produto da fase de recria, boi magro;
  • maior liquidez;
  • maior produção de arroba por hectare;
  • maior taxa de desfrute; e
  • taxa de lotação.

A fase da engorda se dá quando o animal atinge o peso desejado e se tornam boi magro, o que, geralmente, acontece em torno de 14 arrobas.

Então é o momento que eles saem da recria e entram na fase da engorda do boi.

O momento da engorda do boi é o que demanda maior necessidade de pastagens mais nobres e suplementação por grãos, para que se consiga colocar gordura na carcaça e obter um boi gordo.

Fique atento às seguintes situações:

  • ciclo curto leva a maior giro de capital;
  • elevado custo nutricional;
  • resultado diretamente ligado ao fator genético; e
  • maior custo com nutrição.

Engorda do Boi

Quando falamos em engorda do boi, o principal quesito é a alimentação.

Para que ganhos mais altos possam ser obtidos no sistema de engorda de boi em pasto, três tipos de alimentação podem ser oferecidos ao gado:

  • forragens: possuem alto teor de água e fibra e devem ser consumidas em grande volume pelos animais.

Um quilo de folhas tenras de gramínea apresenta entre 15% e 20% de matéria seca, ou seja, entre 800 e 850 gramas do peso total do alimento é composto por água.

  • concentrados: os alimentos concentrados oferecem maior quantidade de nutrientes por quilo de produto, pois 88% de sua composição é matéria seca e apenas 12% de umidade.
  • suplementação mineral: apesar de ter boas pastagens, o caminho correto para proporcionar ganhos de peso significativos na engorda em pasto é a suplementação, que deve fazer parte do manejo alimentar do rebanho.

Cuidados básicos para a engorda do boi

Para que um animal tenha um bom desempenho ao longo da sua vida, garanta uma engorda de boi satisfatória, com ganho de peso saudável, e assim possa fornecer uma carne de qualidade, ele precisa ter algumas condições respeitadas.

Então fique sempre atento para:

  • acesso à água – além da alimentação, tanto bezerros quanto vacas e bois adultos devem ter um espaço com acesso à água limpa e fresca, pois isso também influencia na engorda do boi.

O gado consome, em média, quatro litros de água para cada quilo de peso, o que significa que ela deve estar sempre ao alcance e, claro, ser de fontes limpas.

  • condições das instalações – para a engorda do boi ser saudável, é recomendado que os animais tenham acesso às áreas externas, como campo ou pasto.

Suas instalações devem ser limpas para garantir a segurança do rebanho.

Os currais precisam ter piso antiderrapante, portões e corredores largos e uma temperatura amena, com instalações ventiladas.

  • áreas de descanso – são essenciais para a engorda do boi, pois assim, ele consegue seguir seus comportamentos naturais, sem estresse, o que influencia no ganho de peso.
  • manejo – ruídos excessivos podem deixar o gado estressado, o que vai afetar o seu bem-estar e influenciar na engorda do boi.

Tenha instalações sem muito barulho. As áreas para embarque e transporte também precisam ser adequadas, evitando a queda ou ferimentos dos animais.

Estar atento aos detalhes é o grande segredo para ter uma engorda do boi que seja eficiente e saudável, influenciando positivamente na lucratividade.

Fontes: Nutrimais; Canal Rural; Cursos CPT; e Prodap